Na tarde desta quinta-feira (21), o presidente da OAB Ceará, Erinaldo Dantas, se reuniu com membros do Centro de Estudos das Sociedades de Advogados – CESA e com os donos dos grandes escritórios da capital para discutir o funcionamento dos escritórios após o decreto do governo do Estado do Ceará, que autorizou a circulação da advocacia durante o isolamento social rígido.
Segundo Erinaldo Dantas, os participantes informaram que não têm o objetivo de funcionar de forma plena, porque colocaria em risco a saúde de seus integrantes. “O objetivo primeiro de todos eles é que nenhum dos integrantes venham a contrair a COVID-19. Estão colocando a saúde em primeiro lugar e garantiram que não vão funcionar de forma plena e nem promover aglomerações. A ideia é que se possa continuar trabalhando de forma remota, de casa, sempre adotando todas as normas de segurança sanitária”, explicou.

Ao final da reunião, o presidente da OAB Ceará, Erinaldo Dantas, e o presidente do Centro de Estudos das Sociedades de Advogados – CESA/CE, Tiago Asfor Rocha Lima, assinaram uma nota conjunta das duas instituições, recomendando aos advogados e às advogadas que continuem adotando rigorosamente o dever geral de permanência domiciliar e que os escritórios de advocacia também devem orientar seus integrantes a permanecerem praticando trabalho remoto. O deslocamento só deve ser feito para estrito cumprimento dos serviços advocatícios, em caráter excepcional e de real necessidade, quando inevitável à defesa dos interesses de seu constituinte.

A nota recomenda, ainda, que todos continuem seguindo os protocolos de segurança sanitária, adotando o uso obrigatório de máscaras, a higienização máxima de ambientes, o distanciamento mínimo e a ausência de contato físico.

Clique aqui para acessar a nota na íntegra.