As luzes na cor lilás já iluminavam a fachada da Seccional quando o céu ficou repleto de balões. Foi assim que a Comissão da Mulher Advogada (CMA) da OAB Ceará homenageou, na última quarta-feira (7), as 127 mulheres cearenses que sofreram violência e perderam a vida, somente neste primeiro semestre de 2019. Esse foi um ato simbólico em alusão aos 13 anos da Lei Maria da Penha, bem como ao “Agosto Lilás”, mês do combate à violência contra a mulher.

Para a presidente da Comissão, Christiane Leitão, este é um ato de reflexão e conscientização acerca do assunto. “É um momento importante para que a gente entenda o quanto esse assunto é sério e precisa ser trabalhado na conscientização de uma mudança de atitude geral, por mais respeito e dignidade para com as mulheres. Nós, operadores de direito, precisamos provocar essa consciência e cumprir o nosso papel de guardiões da cidadania”, defendeu.

Durante o ato, as membros da CMA reforçaram a luta, destacando frases que representam a voz das mulheres nesta causa. “Diga não à violência psicológica”, “Diga não à violência moral”, “Está sofrendo violência? Disque 180”, “Diga não ao feminicídio”, “Basta. Não se cale. Denuncie. Ligue 180”, “Diga não à violência patrimonial”, “Diga não ao assédio moral no trabalho” e “Diga não à violência obstétrica” soaram como um grito de alerta à sociedade.

O presidente da OAB Ceará, Erinaldo Dantas, conta que durante todo este mês, a fachada estará iluminada de lilás. “Nós fazemos parte dessa corrente e queremos reforçar o compromisso da Ordem nesta luta”. Para ele, “a Lei Maria da Penha é, sem dúvidas, uma das maiores conquistas da história da nossa sociedade, um importante instrumento de combate à realidade cruel que tantas mulheres enfrentam até mesmo dentro de suas próprias casas. Ainda há muito a ser feito e, de mãos dadas, podemos avançar cada vez mais”, completa.

Disque 180

De acordo com os dados registrados pela Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, nos seis primeiros meses deste ano, a Central de Atendimento à Mulher do Disque 180 recebeu 46,5 mil denúncias. 10,9% a mais do que consta nos registros do mesmo período em 2018.